Entrevista: Raphael Colferai

A equipe do Na Frequência Certa entrevistou o Analista de Sistemas Raphael Colferai que iniciou recentemente no aeromodelismo. Ele conta um pouco sobre as suas dificuldades, as modalidades que pratica e como aprendeu a voar. Um fato diferente é que o Raphael começou a voar helicópteros antes doa aviões. Veja a entrevista na íntegra.

1. Poderia comentar um pouco sobre você (profissão, idade, cidade, onde voa)?

Meu nome é Raphael Colferai e tenho 29 anos. Sou formado em análise de sistemas e trabalho na cidade de Campinas/SP como gerente de projetos em uma empresa de tecnologia da informação.

Resido na cidade de Itapira/SP que é onde pratico o aeromodelismo. A cidade não tinha uma estrutura para a prática e por isso os praticantes sempre tiveram de improvisar. Agora em Março de 2011 a prefeitura cedeu um espaço e está iniciando a construção da pista.

2. Quando começou no aeromodelismo e em qual modalidade?

Sempre apreciei o aeromodelismo. Tenho amigos que são praticantes já há muitos anos. De tanto vê-los voar decidi também entrar para o time de helimodelistas. Isso ocorreu no início do ano de 2010 quando comprei meu primeiro modelo. Foi um Heli T-REX 450:

Em Junho de 2011 eu resolvi comprar também um pequeno Aeromodelo e optei por um Ugly Stick Elétrico com 1 metro de asa.

 3. Comente um pouco sobre o que achou do aeromodelo?

Com relação ao Helimodelo, a princípio cheguei a desanimar em função das dificuldades em voar. Os controles são bastante complexos e o modelo é extremamente fiel ao que é um Helicóptero, ou seja, exige muita dedicação para conseguir voar bem. Cheguei a deixar o modelo parado por alguns meses e retomei minha saga de tentar voar em Março de 2011. Agora estou conseguindo fazer vôos escala e continuo praticando para tentar evoluir para vôos 3D.

No que diz respeito ao Aeromodelo, já tinha feito alguns vôos escala em modelos de amigos. Sempre pegando o modelo já no ar e fazendo o básico de ir e vir com de um lado para o outro. Bem recentemente adquiri um Stick elétrico e estou começando a aprender a voar com ele.

4. É verdade que você está aprendendo a voar aeromodelo sozinho? Como está fazendo para que tenha sucesso no aprendizado?

É verdade. Conforme relatei, o Helimodelo chegou a me desanimar um pouco no início. Eu praticava no simulador (HeliSIM) e conseguia pairar e fazer o básico mas quando ia para a prática com o modelo não sentia confiança e não conseguia evoluir. Depois de ter deixado o modelo de lado por alguns meses resolvi retomar a tentativa e passei a me dedicar mais. Treinei bastante no simulador e voltei a tentar voar conseguindo dessa vez resultados melhores.

Atualmente optei por fazer uma aula com o Trajano D´Andreia, renomado Helimodelista da cidade de Limeira. O fato de estar com um professor com certeza aumenta a confiança e com uma única aula já estou bem mais confiante. Agora tenho praticado nos finais de semana e a evolução é evidente. Talvez volte a fazer uma aula quando resolver partir para os vôos 3D.

Já com relação ao Aeromodelo eu nunca fiz qualquer tipo de aula. Cheguei a voar um pouco modelos de amigos, mas só o básico já estando com o modelo no ar. Nada de decolagem ou pouso.

 Agora que comprei o modelo elétrico fui para a pista para o primeiro voo. Pedi a um amigo que fizesse o vôo para trimagem e na sequencia ele me passou o controle com o modelo no ar. Voei por cerca de 10 minutos até pegar dedo e ganhar confiança nos comandos do avião. Uma vez que me senti confortável, pedi que o amigo fizesse o pouso e então fiz minha primeira decolagem. Digamos que não foi assim tão tranquila mas foi suficiente. Depois disso fiquei numa sequencia de decolar e pedir para um amigo pousar para mim. Fui treinando e agora a decolagem não é mais problema. Agora vou praticar um pouco no Simulador (ainda não baixei nenhum de aeromodelo). No próximo final de semana tentarei pousá-lo na pista. Tomara que não vire lenha!

5. Gostaria de compartilhar algum acontecimento?

Neste tempo no qual tenho praticado o modelismo passei por algumas situações engraçadas. Uma delas foi quando da minha primeira e única aula de pilotagem do Helimodelo. Eu já estava voando há algum tempo mas sempre com muitas restrições. Apenas em baixa altitude, com cauda para mim e, claro, com muita tensão. Na aula o instrutor assumiu o comando e levou o Heli para longe e bem alto e simplesmente disse: “ta contigo!”. Minha namorada me contou em meio a risos que minha cara era de total pavor! (risos) Sei que a experiência foi bem engraçada mas depois de um tempo eu já estava mais tranqüilo e aproveitei bastante a aula.

Também houve uma situação engraçada quando eu, por vacilo, perdi a configuração do rádio. Como eu não sabia configurá-lo para controle do Heli, pedi ajuda ao meu amigo Fernando Guarita que me deu uma força. Fomos então fazer um teste e, durante o voo, esbarrei na chave F. MODE do meu Spektrum e como tínhamos configurado apenas o modo normal de voo, ao acionar esta chave o Heli ficou sem passo e com motor disparado! O modelo despencou mas antes de espatifar no chão eu consegui (puro reflexo) voltar a chave para a posição de vôo normal e o Heli deu um “tiro” para o alto. O Fernando Guarita estava filmando a cena do vôo de teste do rádio que havíamos configurado. O susto dele foi maior que o meu! (risos) Mas no final das contas foi só um susto e consegui controlar o modelo e evitar uma lenha! Não foi dessa vez que lenhei o T-Rex (risos).

6. Quais dicas você daria para os que estão iniciando no hobby?

Em primeiro lugar acho importante que as pessoas saibam que:

- Não confunda! Modelo não é brinquedo!

- Modelismo não é algo muito barato, portanto tome cuidado para não querer fazer tudo correndo e se frustrar! Pesquise bem antes de comprar. Pratique muito em simuladores antes de partir para a prática. Principalmente nas modalidades Aero e Heli!

- A galera do modelismo é muito gente boa e faz valer a pena! Vão sempre querer ajudar, contar histórias de rolar de rir e vão estar sempre por lá para compartilhar bons momentos de lazer.

Com essas coisas em mente, só posso dizer aos iniciantes que levem a sério e se dediquem em aprender. Seja qual for a modalidade, todos os modelos são muito interessantes e trazem ao praticante muita satisfação. Acho importante conversar sempre com alguém com experiência, praticar em simuladores e, quando for partir para a prática, ter ao menos alguém experiente ao lado para lhe dar dicas. Ahhh… A pressa é inimiga da perfeição bem como é a melhor amiga da lenha! Seja cauteloso pois tudo que sobe desce! (risos) Vá com calma e pratique sempre. Modelismo é show de bola e fica ainda melhor se conseguir evitar as famosas lenhas! ;-)

Compartilhar:
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • RSS
  • Twitter
  • Add to favorites
  • LinkedIn
  • MSN Reporter
  • MySpace

7 ideias sobre “Entrevista: Raphael Colferai

  1. Mto legal a entrevista!!!
    Eu que sou totalmente leigo nem sabia da existência de simuladores e achei muito interessante. Vou pesquisar mais a respeito!

    Abraço

  2. Eu tenho um t-rex 450 SE V2 igualzinho este do entrevistado, mas ainda estou treinando no simulador. Realmente helicópteros são muito dificeis no início do aprendizado.
    Eu iniciei no aeromodelismo com aviões, hoje estou viciado nos aeros. Hoje já piloto consiideravelmente bem. não posso me queixar. :D
    Boa sorte ao Raphael nos aeros. Espero que seus primeiros pousos sejam melhores dos que os meus. Um grande abraço.

  3. Boa tarde a todos…
    Primeiramente, esse lance de aeromodelismo é bem bacana. Acho até que as mulheres deveriam começar a praticar.
    Segundo: acho que ele tá no ramo certo: aviãozinho mais baratos até aprender para depois comprar um mais caro.

  4. Nossa… super baratinho… com uns R$180,00 para o rádio e R$200,00 para o aero você já está voando…… bem mais barato do que muitas bolsas por ai